31.7.05

Resistentes do Comércio

O Comércio resiste aqui.

Breve nota pessoal: Sou do Porto. Não vivo na minha cidade há quase 7 anos, mas há marcas que ficam para sempre na nossa memória.
O Comércio do Porto foi o meu primeiro jornal. É verdade que insisti com o meu pai para trocá-lo pelo Público, mas não deixei de ir estando atento ao que se passava com este jornal.
Ultimamente, via net, fui tomando consciência da sua recuperação e da sua afirmação.
Ficaria muito contente que fosse possível recuperar este titulo e espero que os jornalistas e colaboradores deste jornal tenham o ânimo suficiente para enfrentar esta situação.

Actualização: A Capital também resiste.

Santo Inácio

Hoje é dia de Santo Inácio de Loyola. Os livros de História tinham-me deixado a ideia de um personagem mais ou menos obscuro de que a Igreja se tinha servido para responder a Lutero.
Quando, finalmente, conheci o seu mundo interior encontrei um ser humano humilde e determinado, movido pelo Amor de Deus que apostou em mudar a Igreja por dentro numa altura em que tudo parecia ruir…
Hoje, agradeço ter sido chamado a ser, com tantos companheiros, continuador da Missão de Santo Inácio de Loyola.

30.7.05

Grafitis

... depois das obras da última semana, ficaram pintados na parede do mqu quarto alguns grafitis.
Aqui ficam eles.

1.
Quero respirar
o Teu nome.

2.
Só os teus beijos fecharam
as feridas da estrada.

3.
Sou a flauta
Tu és o sopro e
as mãos que o transformam em música.

4.
Ajoelhado nos Teus joelhos
as minhas mãos elevadas nas Tuas mãos
abraçando os pés a cada peregrino.

22.7.05

De passagem…

Regressado do mar, estou de partida para junto do mar para reconstruir a minha pequena casa interior. Serão 7 dias de obras… Só Ele sabe se serão mais ou menos barulhentas.
Prevejo alguns saudáveis estragos.
Antes de ir de férias, passo por aqui entre 29 e 31.

Do Mar
Trago apenas o Silencio
De querer econtrar-Te

19.7.05

Portugal Positivo

01.30 da manhã.
Regresso a casa.
Noite fria e ventosa.
Zona não muito bem frequentada.
Decido apanhar um taxi. Vou até a uma paragem de táxis.
Dirigo-me ao taxista e pergunto:- posso?.
Responde-me (com ar simpatico): - estou especialmente á sua espera, caro cliente ...

Palavras reconfortantes num Portugal que vai perdendo hospitalidade e sentido de serviço...

16.7.05

Sinfonia nº5: o espelho do silencio

Escrevo este texto quase 1 mês depois de ter escrito o meu ultimo post aqui neste "lugar sagrado". Tudo o que desde daí se passou está guardado, aprisionado, não materializado, não reciclado, inapalpavel, inacessivel. O tempo esse foi entregue (como uma assaltado que entrega oiro a um bandido) á epoca de examinação. A inspiração, essa deusa maluca, ficou a trabalhar cá dentro mas não teve espaço de exposição, nem tempo de crescimento. Ficou contudo gravada. Gravada numa obra unica, de delicadeza, de sensibilidade e de grandeza humana. Ficou cravada em arte unica, arte mestra, arte de dom especial.
Por vezes a musica cria-nos grandes partidas. Rouba-nos as palavras, re-cria dicionários e põe-nos a soletrar palavras nunca antes imaginadas na nossa lingua interna. Para além disso...pasme-se, pega nos nossos sentimentos e grava-os numa musica. Melhor ainda, pega nas nossas ideias, na nossa esperança e espelha-os com um dom unico na conjunção de ritmos, sons. movimentos e andamentos. São notas, são acordes que dão vida, que materializam e que expressam todo o nosso interior. Poções mágicas, adivinhos, algo fará a estes compositores que com uma simples musica dão transparencia á nossa alma. Desenham uma musica em que a tonalidade encaixa com a nossa clave, em que o ritmo encaixa com o nosso andamento, notas que parecem "afinar" com o nosso ser.
Quem quiser descobrir o que andei a pensar, a sentir, a esperançar, a optimizar... veja-o espelhada no 4º andamento da Sinfonia nº5 de Mahler. Aí encontraram tudo o que não pude (por tempo ou por falta de inspiração) expor aqui...

Um abraço do regressado...

15.7.05

Mar à vista

Agora é tempo de me fazer ao mar... Regresso dia 21 com histórias para contar.
Até já...

13.7.05

Elogios

Há pessoas que têm uma certa dificuldade em receber elogios. Sentem-se incomodadas porque julgam que não merecem esse elogio ou que, mesmo reconhecendo o talento que lhe dá origem, que não têm mérito nenhum nesse talento.
Sinto um especial prazer em elogiar essas pessoas e julgo que elas estão especialmente preparadas para nos fazer perceber que tudo o que somos é dom. Nós podemos desenvolver o que recebemos, mas temos que tomar consciência que o que somos depende menos de nós do que aquilo que o nosso orgulho nos leva a crer.
É por isso que gosto tanto de algumas destas pessoas que, ao irritarem-se com os meus elogios, me ajudam a perceber como Deus trabalha em nós muito para além daquilo que nós imaginamos ou de que temos consciência
.

9.7.05

Sobre Londres, Bali, Madrid, Nova York e outras tristes memórias…

Mais uma vez, a dor irrompe… mais uma vez, procura-se semear a desconfiança…
Mais uma vez, tenta-se compreender o incompreensível.
É muito perigoso tentar “compreender o terrorismo”. O fundamentalismo que o alimenta não resulta do amor pela justiça, ou da preocupação com os pobres. Esse é apenas o discurso fácil com que pretende mobilizar apoiantes. É aliás um discurso que joga com os mesmos sentimentos que jogam os grupos de extrema-direita. Alimenta-se de medos e fantasmas, da manipulação e da mentira.
O fundamentalismo que o sustenta resulta de um tremenda falta de Fé, é por isso que ele não pode ser confundido com a prática sincera de qualquer religião. Ele manipula a religião, pervertendo o seu sentido mais profundo.