29.9.06

Letras escolhidas 1

"Do meu vagar há outro nicho
um pico de ilha insubmersa
onde há lugar para o capricho
que dá pelo nome de conversa
do meu vagar a paisagem
ainda tem beleza em brutto
e vale mais uma palavra
que mil imagens por minuto"
(Carlos Tê/Rui Veloso - Do meu vagar in Lado Lunar)

boas conversas, bom fim-de-semana e até Domingo, se não for depois...

Para onde foge o nosso olhar?


Abrimos o Jornal, e vemos as notícias:

No Chile um adolescente de 14 anos joga futebol profissional no escalão principal. Segundo diz prefere a bola ao estudo. Aos 14 anos quem não prefere?

Em Espanha um professor de Direito fui quase expulso de um avião e foi desarmada da sua perigosa bagagem de mão e do seu telemóvel por, devido à barba, pensaram que era Mulçumano. Os passgeiros protestaram e o comandante pactuou.

Em Itália (Pádua) é preciso um enorme muro de metal para isolar a zona de um bairro onde há maior incidência de tráfico de droga para, porteger os que vivem na outra zona do bairro. Faz –se um gueto com polícia à porta! Mas será que os que ficam do lado de dentro do muro são todos traficantes? E se não forem, quem os portege?

Um pai esteve preso vários anos porque uma filha o acusou de a ter violado e agora escreveu um livro para dizer que tinha mentido... diz que mentiu para chamar a atenção e porque queria revalizar o seu drama de vida com o drama de vida de uma colega de escola. Tudo isto inspirado numa série televisiva.

Esta manhã, na minha oração todas estas notícias me bailavam na cabeça:

Senhor, onde está o Teu reino? Como o podemos descobrir no meio deste mundo?
E porque será que é para estas notícias que nos foge tão rapidamente o olhar?
E porque é tão díficil parar e procurar os sinais da Tua presença exactamente nestas notícias?
E que olhar se não o Teu pode curar o medo, que outro olhar pode acolher sem julgar, que outro olhar pode saciar a sede de Amor e de sentido?


É urgente Contemplar os Teus gestos e aprender na profundiade do Teu olhar a descobrir a novidade do mundo, aquela que é tão difícil encontrar nos olhares demaisdos apressados e ansiosos que lançamos sobre o jornal, nos olhares assustados com que nos cruzamos no metro.

nota: a imagem é apenas ilustrativa, desconheço se estas notícias vieram publicadas no Dn, não foi aí que as encontrei.


27.9.06

Palavras com futuro



"Para onde caminha esta nossa Humanidade, que cresceu em potencial criativo, mas está, creio, descurando o reforço de uma correlativa maior responsabilização ética?Educar para uma visão e uma praxis de responsabilidade pessoal e colectiva à altura das novas possibilidades criadas, é, certamente, um dos maiores desafios que temos pela frente.Já não se trata de alcançar a meta de crescer mais (mais riqueza, mais conhecimento, mais tecnologia, mais inovação, mais poder – aspirações aliás legítimas, mas subordinadas), mas sim visar o objectivo de habitar melhor o Planeta que é a casa comum, tanto para as gerações actuais como para as de amanhã.Esta é a nossa responsabilidade pessoal, na perspectiva de uma ética de futuro." (Manuela Silva -Fundação Betânia - Escrito do Mês)

Novidades

Uma novidade é mesmo recente: o Nuno Branco, sj renovou o seu Toques de Deus... e não que ele continua mesmo a tocar-nos com as suas propostas?
Por seu lado o António Valério, também nosso Companheiro, leva-nos até à Cidade Eterna.
Não deixem de visitar estes blogs.

25.9.06

Palavras escolhidas(1): Saudade



Poucas palavras trazem dentro de si tanta contradição. Há tantos sentimentos que se agitam dentro desta palavra...
A falta que as pessoas nos fazem, as marcas que ficam, a dificuldade de aceitar que as despedidas podem libertar a amizade, o medo de ser esquecido.
Tudo isto, pode amarrar o coração e fazer da partida uma farsa. Mas se não chegarmos partir nunca mais podemos amar os que deixámos!

24.9.06

Desejo


Quero ser um rio...
...vazio no Mar.

Setembro 2006

Manifestação de Alegria 26


aqui está a manifestação de alegria que a ALJ me madou em Maio...

O Regresso...

Cá estou. Lavei a cara e preparo-me para regressar.

Regresso com os mesmos companheiros (mesmo que o nosso nome não figure na coluna do lado).

Trago a mesma vontade de sempre, ser um Peregrimo da Alegria.

Neste regresso prometo manter a mesma preocupação: resistir a polémicas estéreis; procurar os sinais de esperança de um mundo, às vezes, tão magoado. Continuarei a falar das palavras e do seu significado, do modo como as experimento. Mas prometo que às vezes posso vir a ser mais combativo, sem medo de dizer coisas que a outros pareçam grandes asneiras... e, já agora, gostava de tentar ser um pouco mais criativo.

Com tanta promessa parece mais parece que estou a lançar uma candidatura....

É bom estar de volta!

20.9.06

Notas de uma ausência


Depois de ter deixado tanto tempo este blog, sinto que devo um sério e sentido pedido de desculpas...

A quem a aqui veio à procura de manifestações de alegria e encotrou silênco.
A quem voltou, voltando a encontrar silêncio.

De um modo muito especial à ALJ de quem devia ter publicado imagens que não publiquei, mas que vou publicar.
A todos os que se sentiram esquecidos, enganados por este adormecimento tão prolongado.


A verdade é que situações de trabalho implicaram um desgaste demasiado grande para que me fosse possível ser fiel à linha que quero manter neste Blog.

Estou consciente que podia ter avisado, mas fui acreditando que a ausência seria breve... o tempo foi passando, vieram activiadades de Verão e uma mudança bastante significativa na minha vida. Deixar uma Missão. Preparar outra, mudando de cidade e país.

Quero voltar. Não sei ainda quando isso será possível com serenidade e estabilidade, mas desta vez, prometo que será para breve!

Até ao começo de Outubro, da minha parte, prometo voltar com regularidade e novidades...

De Madrid, aqui fica um até já!!!

2.9.06

Sim/Sempre/Mais/ ou "Sim! Sempre Mais!" (manif 25)

A partir do momento em que se torna evidente que a felicidade é fruto de uma escolha livre, para a qual nos são dados, sempre, os meios necessários, não podemos deixar de ser felizes. Mesmo que em alguns momentos nos apeteça, não podemos voltar atrás. Estamos comprometidos com esta consciência e nessa medida deixa de ser uma escolha.
Ficamos entre a espada e a parede, mas desejamos a resistência dos tijolos e o fio da lâmina que desenhámos.
Converte-se esta imagem de sufoco em expressão de serenidade.
Conseguimos a paz exterior e esperamos a interior (e assim o encontro das duas para a fusão numa só).

A parede é a vida/liberdade/dons, a espada é a nossa escolha/acção e nós somos o fruto.

(de 07 de Maio de 2005)