29.1.07

Una carta e uma nota


1. Depois de um largo tempo de ausência no debate sobre o aborto, resolvi escrever uma carta...
...o destinatário? Jerónimo de Sousa. Podem lê-la no Razões do Não.

2. Este Blog tem estado parado por motivos de estudo. As emissões mais regulares, dificilmente voltarão antes de meados de Fevereiro.
Vão aparecendo para ver se encontram novidades.

volto dentro de momentos...
até já!





15.1.07

Ferir

Poderá acontecer poucas vezes. Pode ser, até, que nem todos o experimentem. Mas pode acontecer. Acontece.

Há momentos na vida em sabemos que não podemos deixar de ferir profundamente um amigo.
Por muito cómodo que pudesse ser, tomamos consciência que não podemos evitar uma determinada decisão, que não podemos calar uma determinada palavra, que não podemos renunciar a um determinado gesto.

Os momentos que antecedem esta eleição são eternos instantes de luta. São busca tremida de uma verdade maior. Há ondas por dentro que são Adamastor. O medo anuncia toda a dor. Avançamos na luz, de olhos fechados.

Chega a hora. Decidimos. Falamos. Gesticulamos.

Diante de nós um rosto se transforma e dá à luz um abismo. É então que aprendemos que o corpo nem sempre pode os abraços que pede o coração. Ficamos rasgados por dentro.

Passam outras horas. Outros dias que se fazem meses e anos. E numa nova hora, um olhar feito de luz sincera e dois braços ainda feridos chamam por nós. É altura de aprender que na amizade mais profunda se pode dançar ainda ferido, sobre o abismo que ainda não vencemos...

Nota: Nesta história há ainda horas por viver...

9.1.07

Entendimentos 4



Os pés gelados seguiam o caminho,
Levavam-na, descalça,
Pelas ruas despidas da cidade.
As mãos esquecidas aprendiam os vidros,
Quebrados e húmidos das montras.

O vento do mar chamava.
E, chegada a hora,
Ela foi dormir.


(Fotografia de
Pica escolhida a partir de Texto de Zé Maria Brito, sj)

7.1.07

Imaginar, ajudar, responsabilizar

«Coração da Cidade fundou loja para ajudar famílias carenciadas do Porto. Mas ninguém recebe sem dar e os inscritos têm de fazer 32 horas de voluntariado mensal. Projecto já mudou vidas e há quem diga que sem ele «não teria Natal» in Portugal Diário

Vale a pena uma leitura e seguir as sugestões de outros links do artigo.

Da (pouca) experiência que tenho do contacto com a pobreza, penso que esta é uma grande ideia.

Ilusão ou Liberdade?

Olhamos o mundo e seria ingénuo acreditar que o novo ano vai trazer a solução de todos os conflitos, de todas as tragédias. Às vezes embarcamos numa espécie de ilusão que nos faz crer que do dia 31 de Dezembro ao dia 1 de Janeiro tudo pode mudar... Bastará que passem uns dias, que o ritmo da banalidade e os gestos rotineiros voltem a marcar as horas dos nossos dias para que tal ilusão se desfaça.

Removo um saco de palavras e vou puxando uma e outra, tentando desenhá-las no papel como quem insinua numa tela um horizonte emaranhado em nevoeiro.
Cada dia, cada ano nasce nas nossas mãos escondido por incertezas. É tanto o que não podemos controlar, há tantas coisas que não dependem de nós (saúde, desastres), há tantos desejos que o nosso esforço não alcança( emprego, entrada no curso pretendido), há tantas decisões tomadas em que os efeitos nos escapam.

Como é possível continuar a falar de liberdade? Em cada ano há tantas coisas que não escolhemos viver... Não temos a possibilidade de determinar tudo o que nos acontece.
Afinal que podemos nós?

Podemos no começo deste ano desejar aprender de Deus uma nova liberdade. Não a liberdade de quem determina tudo o que acontece, mas a liberdade de quem cria futuro e rasga horizontes das feridas , de quem se aproxima da dor para que daí possa surgir a alegria.

Bom Ano de 2007!


Nota: Obrigado por todos os votos de Boas festas!